Quem disse que tamanho é documento?

    Dentro da compreensão da sexualidade masculina, uma das questões que mais preocupam os homens são aquelas relacionadas ao TAMANHO do PÊNIS. Este assunto também é de interesse feminino, especialmente quando se trata de pensar na primeira relação sexual, no sexo com penetração vaginal (se vai doer, se vai sangrar o hímen etc).Mas não é só o tamanho do pênis que preocupa, em especial, os homens! Há outras inseguranças: será que é torto demais? Parece muito escuro? Parece fino? Por que se curva para baixo ou para o lado quando está ereto?

Essas preocupações são RESULTADO de um APRENDIZADO! Desde criança, nossa cultura ensina algumas idéias sobre a masculinidade e sobre a estética do corpo, que não são, necessariamente, verdadeiras ou imprescindíveis à vida sexual satisfatória. Uma delas é a idéia de que quanto maior a dimensão do pênis, maior será o prazer da mulher. Ou então, que as mulheres "preferem" os homens com pênis grande.

Bom, daí poderíamos até pensar que apenas os heterossexuais, que pretendem se relacionar com mulheres, estariam preocupados com esse mito, e que os gays (que tem seu desejo erótico e afetivo voltado a outros homens), não seriam influenciados por essas idéias. Mas não é bem assim!Os homens, independentes de sua orientação sexual, se preocupam com o tamanho do seu pênis, pois, para o significado social da masculinidade, nos é ensinado que somente se "é homem" se o pênis for grande, ou seja, quanto maior o pênis, mais viril este homem é, mais potente sexualmente, mais macho! Isso é uma bobagem!Quando, especialmente na adolescência, os meninos começam uma compulsiva comparação de seus pênis com o de seus colegas, são estabelecidas desleais e discriminatórias relações com a força física, com a potência sexual, com a virilidade, com a masculinidade. É como se o homem fosse "naturalmente" mais forte, mais potente e mais viril por ter o pênis maior e, com isso, ganhasse em valor, poder e respeito social. Essa associação, repito, não é verdadeira!Penso que essas comparações acabam definindo relações de poder e conseqüente dominação, tanto entre os homens, como entre homens e mulheres, principalmente quando o homem acredita na necessária dependência do prazer da mulher em relação ao seu órgão fálico.Precisamos compreender que HOMENS e MULHERES, em inúmeras características físicas, SÃO DIFERENTES! Individualmente começamos a perceber as mudanças do corpo na puberdade (dos 10 aos 16 anos), onde o pênis começa a liberar esperma quando ejacula, a crescer, a engrossar, a escurecer os testículos, a aumentar de tamanho, e, esses processos diferem de garoto para garoto.Penso que o problema não está na diferença do tamanho do pênis! O problema está nas informações sócio-culturais que reforçam essas idéias negativas e, que deixam rapazes e homens, neuróticos, inseguros, em processo infindável de comparação e ansiedade. Essa angústia é que pode, tornar-se um grande obstáculo para a auto-estima e para a segurança no estabelecimento de relacionamentos afetivos e para a vivência prática da sexualidade masculina.E, sobre o PRAZER da MULHER, a idéia de que quanto maior o pênis, maior será o prazer feminino, não é verdadeira! Além do mais, esse mito acaba reforçando outra visão equivocada: a de que o sexo com penetração vaginal é a prática sexual, necessariamente, mais importante e prazerosa para mulher.Vamos pensar sobre isso: quando no estado de repouso, a vagina fica levemente umedecida. Quando a mulher fica eroticamente excitada, ela fica molhada; se contrai e se distende capaz de acomodar um pênis ereto. Da mesma forma que a vagina é elástica o bastante para permitir a passagem de uma criança durante o parto normal, no momento da relação sexual ela pode se alargar o suficiente, de acordo com o tamanho do pênis, em questão. Embora a extensão da vagina possa variar, aproximadamente, entre 8 a 15 cm, estudos comprovam sua maior sensibilidade prazerosa ao redor dos 5 cm iniciais, fato este, que dispensaria grandes dimensões do órgão masculino, para o prazer da mulher.